Sibélius

 

 

 

       

 

 

 

Sibélius Donato Tenório

  

.....Aos 22 de junho chegava em Campina Grande, Paraíba aquela criança.

     Um quilo e meio, seis meses de gestação. Os médicos não acreditavam que ele sobreviveria.

 

 

     Porém o amor de Genalda e Josemar, seus pais, acreditaram. Josemar pegou Sibélius em seus braços e disse:

_ Vamos levá-lo pra casa ! E nos braços de seus carinhos ele cresceu.

     Sibélius estava com três anos e oito meses e ainda não falava, nem andava - apenas arrastava-se de costas. Ficava horas olhando a mãozinha, sorrindo, encantado, ou acomodava-se no colo do pai o Sr. Josemar, um ex-seminarista estudou piano e gostava  muito de tocar.

 

     - Não há mais o que esperar - meditava Genalda.

   - Os médicos daqui não tem mais o que fazer para Sibélius, irei a Recife.

 

     Assim pensando resolveu marcar a consulta para o dia seguinte.

     Naquela mesma noite  sonhou com Frei Damião a dizer-lhe que Sibélius seria normal, que ela deixasse a vida agir. Acordou emocionada e adiou a viagem por mais um dia.

     Então aconteceu: ela  nunca mais haveria de esquecer daquela madrugada! Já deitada, ouviu o  piano e pediu a sua irmã que tirasse seu filho mais velho, Stanley, do instrumento, pois já era tarde e ele poderia incomodar os vizinhos.

     Algum tempo e um grito:

 

     - Corra Genalda , corra!

 

     Entre lágrimas, ela se deparou com aquela cena que ficou esculpida em sua memória para sempre: quem estava ao piano era Sibélius! A mamadeira de um lado e do outro um pacote de bolachas, executando o clássico da música brasileira Assum Preto, com precisão, utilizando ambas as mãos!

     Frei Damião estava certo: ele seria uma criança normal!

     Andou, falou e tocou no mesmo dia e ,como ele mesmo afirma escancarando um largo sorriso :

 

     - Fiz tudo num dia só!

 

     Porém, não se comportava como uma criança normal: seu brinquedo era o teclado! Passava o tempo entre o piano e as fotografias - outra grande paixão de Sibélius.

 

 

     Apresentou-se em vários programas de TV, entre eles o Fantástico (1986) e  Jô Soares (1991). Sua genialidade musical foi comprovada por nomes consagrados no meio artístico, como Arthur Moreira Lima, bem como por idôneos professores, os quais afirmam nada terem a lhe ensinar.

     Simplicidade, humildade e um sorriso largo são suas marcas registradas. Sua idade mental se situa na adolescência. Toca com perfeição qualquer melodia, seja ela clássica, erudita ou popular - basta tê-la escutado no máximo três vezes. Não lê partituras, mas as elabora com o auxílio do computador.

 

 

     Sua mente funciona qual um computador que acessa rapidamente programas guardados, talvez do passado. Para nós é a prova irrefutável da reencarnação.

     Dá shows em todo Brasil, possui aproximadamente 300 composições próprias. Já gravou 3 Cds com suas composições: "Divagações", "O Uirapuru" e "Outono em Primavera".

 

 

 

 

 

Veja também:

Ouvindo Sibélius

Minha homenagem

Cds de Sibelius

Livro De Visitas

Clique na Clave de Sol

 

 

 

         

 

 

 

©  Copyright 2002 e 2003  Marisa Cajado  -  Todos os direitos reservados*

*É expressamente proibida, por lei, a divulgação desta página em outro site ou qualquer outro modo de veiculação  sem a autorização expressa dos autores ou dos detentores de copyright do texto, das imagens, das músicas e arquivos de som, da formatação e dos demais elementos que compõem a página.

 

Direitos autorais protegidos pela lei 9.610/98.

 

 

Midi: "Polonaise"

Arranjo e interpretação- Sibélius

www.selvas.com.br

 

 

Tela "Retrato de Sibélius"