O sabor da vida
Marcial Salaverry

 

     Pode parecer estranho falar em sabor da vida... Frutas tem sabor, alimentos tem sabor... Como seria o sabor da vida? Possivelmente agridoce... Tudo depende da maneira como a saboreamos, se apenas o aperitivo, se o prato principal, ou se apenas a sobremesa.

     Existem pessoas que apenas passeiam pela vida, fazem ato de presença no mundo, mas não conseguem sair da superfície, vivê-la intensamente. Mas são felizes assim... ou julgam que são. Mas como a felicidade está no interior de cada um, consideremo-las igualmente felizes, pois fizeram uma opção de vida, e sentem-se bem assim. Usam seu direito do livre arbítrio. Vai daí que...

     Existem pessoas, contudo, que estão sempre procurando um algo a mais. Não se sentindo realizadas com o que fizeram até então, continuam procurando seu caminho, até encontrar. Por vezes nunca encontram, e perdem-se em sua incessante busca. Por vezes encontram, e então se realizam... até terem atingido o objetivo, pois seu espírito inquieto, sempre estará em busca de um algo a mais.

     A propósito, recebi de nossa amiga Célia, uma mensagem muito interessante, escrita pelo já famoso L’Inconnu:"Acontece algumas vezes que não achamos bom o chá. Descobre-se a causa quando se chega ao fundo da xícara: - Era o açúcar. Não estava faltando, mas estava no fundo.

     Teria sido necessário mexer. Talvez o que esteja faltando à nossa vida tenha ficado no fundo. Nossa vida talvez não tenha sabor porque não temos a coragem de ir ao fundo das coisas ou porque não queremos. Fazemos caretas como ao tomar chá sem açúcar.

     Precisamos fazer o esforço de mexer a vida, de tocar nos segredos de Deus em nós."Já tenho escutado muitas reclamações a respeito da vida rotineira que levam. Pessoas que consideram enfadonho seu dia a dia.

Pergunto o que já fizeram para mudar essa situação.

     Realmente, quando chegamos à conclusão que falta objetivo à nossa vida, penso que é chegado o momento de abrirmos o leque de opções que a vida nos oferece, procurando outro caminho mais condizente com o que realmente pensamos ou queremos.

     Se, por exemplo, vc for um músico frustrado, executando alguma função burocrática, e essa situação o estiver incomodando, veja se conseguirá continuar sobrevivendo realizando seu sonho... se é realmente um músico competente que ainda não chance na vida. Se for esse o caso, vá à luta, tente realizar.

     Se der certo, ótimo, vc conseguiu sair do marasmo de sua vida, mostrou ser realmente um músico de talento, e que estava perdendo tempo. Foi bom ter "mexido na vida".

     Se, contudo, não der certo... bem pelo menos vc tentou, e ficou sabendo que seu sonho era utópico, que vc não era um músico de talento, e vai precisar reencontrar um rumo para sua vida. Mas pelo menos vc tentou. Não ficou apenas lamentando sua vocação frustrada. Não deu certo, porque a música era apenas um sonho, não seu real talento.

     O importante no caso, é não se acomodar a uma situação que começa a incomodar.

     Temos uma obrigação conosco, de pelo menos tentar atingir a felicidade. Uma das maneiras de conseguir, é "mexer a vida" quando começamos a achá-la insossa. É procurar o açúcar que está no fundo da xícara de chá.

     Claro, tais atitudes revolucionárias, devem ser bem analisadas, principalmente se houver outras pessoas envolvidas.

Ponderação e bom senso é o segredo. E uma boa dose de audácia. Não é fácil trilhar-se um caminho novo.

 

Direitos autorais reservados ao autor: para publicar, solicite autorização via e-mail.

Clique no envelope envie esta página para até 10 amigos:

 

 

 

 

Fundo Musical: "Sapore di sale"

www.selvas.com.br

 

Imagem - Foto arquivo pessoal Marisa Cajado

Livro de Visitas

Clique na clave de sol

 

©  Copyright 2002 e 2003  Marisa Cajado  -  Todos os direitos reservados*

*É expressamente proibida, por lei, a divulgação desta página em outro site ou qualquer outro modo de veiculação  sem a autorização expressa dos autores ou dos detentores de copyright do texto, das imagens, dos arquivos de som, da formatação e dos demais elementos que compõem a página.

 

Direitos autorais protegidos pela lei 9.610/98.