MAYSA MATARAZZO

Os compositores continuavam enviando suas melodias.
Sempre um novo recado, um novo alento, a prova incontestável que continuavam vivendo com novos objetivos, desenvolvendo os talentos, repensando atos e  seguindo novos rumos

Maysa Matarazzo   que tanta tristeza, desespero e desânimo vivenciou na última estada na experiência terrena,  nos conta sobre seus propósitos de agora .
Quando  na vida física viveu a época do romantismo, onde no cinema vibrava com Brigitte Bardot , representando o tipo da mulher ninfeta qual descreve o romancista Vladimir Nabokov; a mulher criança , misto de malícia e inocência, de candura e de cinismo.

    flickr.com

Era a época das músicas de dor de cotovelo.

A sociedade ainda muito fechada. Artista, cantor, era considerado boêmio e sem futuro .  

 Maysa Matarazzo viveu o drama entre a aceitação da sociedade e sua carreira artística.

Quantas vezes temos ,visto vidas que se destroem diante dos preconceitos criados pela incompreensão humana, na ignorância da realidade  da alma.
               
Maysa teve que escolher entre o casamento e seu pendor musical. Optou pelo último mas isto lhe acarretou uma incomensurável tristeza que carregou até o final de seus dias. Entregou-se ao alcoolismo.
Hoje com as faculdades refeitas e entendendo o sentido da vida com seus reais valores diz em suas mensagens sobre o passado e o presente

Ouça vá viver a sua vida com outro bem, aquele bem que ensina a querer bem aquele bem que faz bem a vida inteira, aquele bem que aponta a vida verdadeira.”

Assim as letras e melodias continuavam ...

 “Amar como eu amei, ficar como fiquei por uma vida inteira, deixar o que deixei rodar o planejei, parece brincadeira. Buscar o que busquei, num copo atrás de um bar, na lágrima vazia, só agora sei, que não podia dar, o que não possuía.”

“ Ensaia um sorriso, mesmo a contragosto, que ele acaba se implantando no seu rosto”
         
Podemos  perceber profundas mudanças na maneira de Maysa encarar a verdade.

Sabe que vai voltar e prepara-se para reparar o tempo perdido.
Enquanto no plano extra  físico compõe e dá vazão ao talento já desenvolvido em outras épocas.
Sua composição de hoje nos alerta nas escolhas dos bens, para que possamos ser mais felizes.

Siga a flecha para mudar de página.

 

Imagem: Tela Marisa Cajado

 

Livro de Visitas

Clique na clave de sol

 

 

©  Copyright 2002 e 2003  Marisa Cajado  -  Todos os direitos reservados*

*É expressamente proibida, por lei, a divulgação desta página em outro site ou qualquer outro modo de veiculação  sem a autorização expressa dos autores ou dos detentores de copyright do texto, das imagens,

dos arquivos de som, da formatação e dos demais elementos que compõem a página.

 

Direitos autorais protegidos pela lei 9.610/98.