POETA CAMINHEIRO


 

POETA CAMINHEIRO

Eu sou poeta
E não nego a minha raça
Sigo rindo e achando graça
Só chorando de emoção
A minha meta é viver
Tudo o que passa
Esquecer o que foi jaça
Aquecer o coração


Sou juazeiro  desta terra do cruzeiro
Trabalhando o tempo inteiro
No sem fim da amplidão
Sou caminheiro
Que já sabe o que é saudade
Mas que ainda tem vontade
De cantar pro seu sertão

Luiz Gonzaga
Recreio Escola- Guarujá 15/06/93

 

Siga a flecha para mudar de página.

 

Imagem: Tela Marisa Cajado

Melodia não gravada

Melodia não gravadas

Livro de Visitas

Clique na clave de sol