Em 05 de maio de 1989 ao me deitar, vinha 'a minha mente um acampamento cigano.

Senti uma forte emoção, como se levada a um passado distante e em seguida captei essa melodia. Vinha assinada por um cigano e intitulada Valsa Cigana.

Nada mais sei sobre este cancioneiro. Recebi dele mais duas músicas mas só esta gravada.

PARA MINHA CIGANA

 

Saudade quanta saudade

Guardada em minha lembrança

De tanta felicidade

Salpicada de  esperança

 

Daquelas noites tão belas

Bailando à luz do luar

Voz de violinos chorando

Olhar da cigana a me olhar

 

Ardentes como a fogueira

Faíscas negras no ar

Brilhando na lua cheia

Claro convite a amar

 

Rodando em doce ilusão

Tecendo dourados sonhos

Mas a cobrança da vida

Derrubou o castelo risonho

 

Então cigana querida

Veio a separação

Mas saiba que nesta vida

Não segues sozinha não

 

Cigano eu ainda sou

Cigano do amor

E o olhar da minha cigana

Eu sigo por onde ela for

 

Canta cigana canta amor esperança

Canta cigana canta paz bonança

Explica a nossa doutrina de luz

Quem canta amor não se engana

Agora és outra cigana

És cigana de Jesus

Cigano

Guarujá,06/05/89

Arranjo Sibélius

 

Imagem: Tela Marisa Cajado

 

Livro de Visitas

Clique na clave de sol

 

 

©  Copyright 2002 e 2003  Marisa Cajado  -  Todos os direitos reservados*

*É expressamente proibida, por lei, a divulgação desta página em outro site ou qualquer outro modo de veiculação  sem a autorização expressa dos autores ou dos detentores de copyright do texto, das imagens,

dos arquivos de som, da formatação e dos demais elementos que compõem a página.

 

Direitos autorais protegidos pela lei 9.610/98.