PARA SILVIO CALDAS

 

PARCEIRO
De tantas madrugadas
Nas noites enluaradas
Sufocando o coração
Da mágoa que no peito se abafava
Enquanto a voz se soltava
Num Gemido de Violão

CANTAVAS
E quando o rosto sorria
Uma lágrima descia
Não sei de tristeza ou emoção
É que  o presente previa
A saudade que viria
Num tempo de solidão.

SILVIO
Eu também choro de Saudade
Mas guardo a felicidade
Do tempo que já passou
Em outra pauta componho
Nas caudas de um novo sonho
Que a morte não apagou.

AMIGO
Guardo tua voz comigo
Num abraço ainda te digo
Que nunca cantarás sozinho
E que, na alma de um seresteiro
Deus acende um luzeiro
Pra iluminar seu caminho

Orestes Barbosa
Guarujá-SP-14/02/96- 18:00 Horas

AUTÓGRAFO DE SILVIO CALDAS NA LETRA ORIGINAL

 

Direitos autorais reservados ao autor: para publicar, solicite autorização via e-mail.

 

Siga a flecha para mudar de página.

 

Imagem: Tela Marisa Cajado

 

Livro de Visitas

Clique na clave de sol